home > Matérias Especiais > Solventes orgânicos
twitter
Banner Facebook

Parceiros

Solventes orgânicos Imprimir E-mail
Escrito por Administrator   
Seg, 23 de Novembro de 2009

Mesmo diante da redução no uso dos solventes, alguns aspectos têm de ser considerados em benefício da segurança do trabalhador.

Na indústria gráfica, os solventes orgânicos são largamente utilizados como componentes e di­luen­tes das tintas, para limpeza de cilindros de impressão e de máquinas, em soluções de molha e em vá­rias ou­tras aplicações, fases e operações, como a de manutenção. São utilizados: ál­cool isopropílico, acetato de etila e frações de petróleo como thinner e benzina.

Para a elaboração do Ma­nual de Segurança e Saú­de no Trabalho – Indústria Gráfica, o Serviço So­cial da Indústria, Sesi, Departamento Re­gio­nal de São Pau­lo, rea­li­zou ava­lia­ções tendo em vista o entendimento das questões ocu­pa­cio­nais re­la­cio­na­das à utilização de solventes orgânicos e a apresentação de sugestões.

As concentrações de solventes orgânicos determinadas indicaram ­maior ocorrência de si­tua­ções inadequadas nos processos de rotogravura, seguida pela serigrafia e, em menor escala, nos processos de flexografia e offset. Não foi observada si­tua­ção inadequada nos processos digital, que ocorre em sistema fechado, e tipográfico, geralmente empregado para a impressão au­xi­liar de pequenas su­per­fí­cies. As contaminações mais preo­cu­pan­tes são as de to­lue­no, em praticamente todos os processos, e as de acetato de etila no processo de rotogravura.

Ventilação
Para a maio­ria das si­tua­ções inadequadas, o controle é simples. Ele é rea­li­za­do através da melhoria dos procedimentos e do sistema de ventilação natural, por meio de aberturas, exceto na rotogravura, que requer sistema de ventilação e exaus­tão ar­ti­fi­cial mais sofisticado, investimento que se entende possível dada a capacidade fi­nan­cei­ra das empresas que imprimem por esse processo.

A maio­ria dos am­bien­tes de impressão é de­fi­cien­te em ventilação. Mesmo nos setores que contam com equipamento de exaus­tão ou de ventiladores, esses são com frequência mantidos desligados para assegurar a qualidade da impressão, evitando a presença de poei­ra e ou­tras partículas. Para essa si­tua­ção, a recomendação contida no ma­nual é manter a ventilação su­fi­cien­te para reduzir as concentrações de solventes orgânicos em ní­veis acei­tá­veis sem pre­juí­zo da qualidade de impressão, como preconizado no trabalho do COSHH – Es­sen­tials, chemical tool­kits (2006), disponível em www.​coshh-essentials.​org.uk.

Material adequado
A limpeza dos rolos de impressão é rea­li­za­da ma­nual­men­te pelo operador, utilizando um pano embebido de solvente orgânico, mui­tas vezes sem a utilização de luvas im­per­meá­veis, o que leva o operador a utilizar esses solventes para retirar a sujidade das mãos, acarretando na exposição por via dérmica, além da exposição por via respiratória.

Foi apresentada sugestão para limpeza dos rolos das máquinas, in­cluin­do procedimentos e equipamentos de proteção, inclusive respirador para solvente orgânico, que deve ser disponibilizado de acordo com o Programa de Proteção Respiratória.

Foi observado que nas in­dús­trias de menor porte são disponibilizados café, água e bolacha no am­bien­te da produção, o que é inadequado pela possibilidade de contaminação por produtos químicos, pro­pi­cian­do o consumo desses alimentos sem o devido as­seio por parte dos trabalhadores. No geral, as fichas de informação de segurança de produtos químicos, FISPQ, não são utilizadas por não estarem dis­po­ní­veis ou por apenas serem arquivadas, não sendo consultadas e nem utilizadas para transmitir informações aos trabalhadores. No ma­nual, foi real­ça­da a importância das FISPQ para adotar procedimentos e orien­tar os trabalhadores.

É comum, principalmente nas gráficas de menor porte, a manutenção de tintas e solventes na área de impressão em embalagens abertas.

Re­ci­pien­tes para a guarda e retirada de panos usados na limpeza, geralmente não dispõem de tampas e a frequência de retirada é relativamente bai­xa.
Foram apresentadas orien­ta­ções referentes à eliminação dessas e de ou­tras fontes de contaminação des­ne­ces­sá­rias. Embora a exposição ocu­pa­cio­nal a solventes orgânicos na indústria gráfica tenha sido relevantemente reduzida devido à evolução da maquinaria e dos produtos, ain­da requer atenção e medidas de controle dos am­bien­tes e de proteção ao trabalhador.

O ma­nual que o Sesi-SP elaborou para a indústria gráfica está disponível em meio eletrônico www.​sesisp.​org.br/​home/​2006/​saude/ manual.​asp​#grafica. A versão impressa deve ser solicitada via e-​mail sst@sesisp.​org.br ou por telefone (11) 3834‑0664.

Texto produzido pela equipe de Segurança e Saúde no Trabalho do Sesi‑SP.

 

Texto publicado na edição 69